QUAL A COR CERTA?

O objetivo é achar as cores certas para cada ambiente da casa e obter harmonia nos relacionamentos, saúde e tranquilidade. As cores na casa não são apenas nas paredes: elementos e objetos de decoração também fazem esse papel. Quadros, sofás, tapetes e almofadas são alguns exemplos.

Confira as dicas de como escolher as cores de cada ambiente da casa:

QUARTO DE CASAL: dê preferência a cores quentes. Como é um ambiente onde as pessoas ficam boa parte do dia e é o local de recuperação das energias, a preferência é pelas cores mais quentes como vermelho e laranja em tons mais claros. Cores escuras no quarto podem prejudicar o sono.

SALA: em cômodos pequenos evite cores escuras que dão sensação de diminuir o local. A sala é onde há liberdade para ousar e usar cor e tons que quiser, respeitando o tamanho do ambiente.

COZINHA: use cores nos detalhes e objetos para quebrar o branco. Fique atento aos tons da cozinha: se for um ambiente muito frio, com predomínio de cinza e preto, ela será pouco acolhedora, com sensação de ambiente industrial. Se a cozinha é branca ou cinza, dê atenção aos detalhes como uma mesa ou armário em madeira para dar mais aconchego.

Uma tendência anti-egoísta será a protagonista nos próximos capítulos da nossa história. Surge um novo tipo de comunidade, onde os residentes valorizam e demandam produtos e serviços locais, compartilhando de interesses em comum. Nesta tendência que se apresenta, podemos destacar o que é Imaterial, essencial e ornamental.

O IMATERIAL

Casa colorida deixa a vida divertida

Cores vibrantes aplicadas em blocos, criam efeitos de volume na construção da forma do espaço urbano que expressa informações instantâneas, perceptíveis nos super gráficos multi coloridos e estruturas articuladas que expõem as cores internas e externas das construções.

As cores vibrantes atravessam o cinza do cimento, capturam nossa atenção para mensagens de  alegria e otimismo ao mesmo tempo que expressam a era criativa em que vivemos. Interações que partem da arte, agora permeiam os objetos de design trazendo as experiências para dentro de casa. Nossa percepção das cores não é mais meramente emocional passando a ser também racional. Luz, transparências e reflexos abraçam a cor e ganham status de matéria.

Você já percebeu quantas cores diferentes pode ter a parede da sua casa em diferentes momentos da luz do dia ?

Neste contexto os novos modelos do viver,  contemplam a casa-stúdio com menos móveis, mais cores e espaço para criar, produzir  e conviver.

O ESSENCIAL

Cores quentes e terrosas acalentam e nos conectam às raízes.

Em reação à nossa existência desejamos mais emoções reais. Queremos dar prazer ao nosso corpo, texturas e cores para compensar as telas que pintamos em nossas vidas. Em uma abordagem à vida, na  busca das nossas raízes.  Pedras e metais, peles e couros compõem este cenário, que tem sinalizado as novas experiências do luxo em hotéis e spás.

Misturas de influências étnicas evocam um mundo criativo sem fronteiras, expressos no acúmulo de cores e tecidos estampados. As cores de terra e animais misturam-se à origem dos objetos feitos a mão. Polpas, cascas e raízes originam objetos modernos como cadeiras e banquetas, palhas viram cestos. Paredes e cerâmicas ganham as mais novas cores roubadas do passado.

Nas experiências encontramos inspiração, num espelho, redescobrimos a beleza e o valor da cultura local, reflexo da nossa própria natureza. De um olhar mais próximo brotam novas comunidades ativadas no real na mais pura dinâmica do ser com o seu ambiente.

O ORNAMENTAL

Cores limpas e suaves neutralizam os grandes espaços, enquanto pitadas de cores vibrantes criam rítmo ao ambiente.

Movimento e novas idéias tornam as ilustrações construídas em uma colorida paisagem de formas –   Uma nova estética –  O olhar intuitivamente treinado arranja os objetos no espaço que agora é real. Uma nova transformação das cores traduz as formas do passado em objetos contemporâneo, misturando madeira clara, cortiça e acrílico colorido as estruturas metálicas leves e tubulares.

A velha dica de que “O menos é mais”, cria um renovado interesse. Formas simples em cores limpas e claras e materiais com texturas contrastantes como cerâmica e madeira. A reciclagem se torna um novo meio de esculpir formas em objetos cotidianos.

O sentido da reciclagem está na criação de um objeto novinho em folha – Um refletir sobre o consumo e as nossas reais necessidades e desejos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *